MATHIASINFORMÁTICA

    

 

 

Notícias

 

 

Impressora 3D Vulcan constrói casa em menos de 24 horas por R$ 13 mil

leia mais

 

 

 

 

 

 

WhatsApp libera descrição para grupos no Android; veja como fazer


leia mais

 

Recurso da Microsoft pode diminuir tempo de inicialização do sistema consideravelmente

 

 

Levantem as mãos: quem aí acha que é muito inconveniente ter que desligar totalmente o seu computador à noite?

Claro, você economizar um pouco de energia ou bateria com um desligamento completo, e o sistema pode aprecisar ter um início novo pela manhã. Mas quem quer esperar o Windows inicializar do zero?

O Windows 10 tem uma resposta para esse dilema com o Fast Startup. De forma bem parecida com o Fast Boot no Windows 8, o Fast Startup cria um arquivo master durante o desligamento que armazena determinados arquivos de sistema como o kernel do Windows e drivers do aparelho.

Na inicialização, o sistema carrega esses arquivos de volta na RAM. O resultado é um processo de desligamento que fecha todos os aplicativos, arquivos e contas de usuários, mas não exige uma reinicialização completa.

 

Que tipo de economia de tempo é possível ter com o Fast Startup? Na minha experiência pessoal com um desktop baseado em SSD, habilitar esse recurso corta cerca de 5 segundos do processo de inicialização, tornando um processo já rápido em algo muito mais ágil. Mas é óbvio que isso pode variar. Os benefícios devem ficar ainda mais claros em sistemas que usam um HD mecânico em vez de SSD.

Se você comprou um PC com o Windows 10 pré-carregado, o Fast Startup provavelmente já está habilitado por padrão, e o mesmo deve ser verdade para os upgrades a partir do Windows 8. Mas quem fez (ou vai fazer) a atualização a partir do Windows 7 pode ter de habilitar esse recurso pelo Painel de Controle. Veja abaixo como fazer.

Primeiro, vá até Power Options no Painel de Controle do Windows 10. A maneira mais fácil de chegar lá é abrir uma busca e digitar “power”, então selecionar Power Options entre os resultados.

Selecione a opção Choose what the power buttons do a partir da barra lateral do lado esquerdo. Caso as configurações no mundo inferior estejam em cinza, clique em Change settings that are currently unavailable perto do topo da tela.

Por fim, marque a opção Turn on fast startup (recommended) perto da parte inferior da tela. Não se esqueça de clicar em Save Changes quando tiver terminado.

E por que você não deveria habilitar o Fast Startup? O site especializado HowToGeek cita alguns motivos – por exemplo, o recurso pode bagunçar um pouco sistemas dual-boot por causa da maneira como lida com o HD do Windows – mas isso não deve ser problemas para os usuários padrão.

 

 

Cinco habilidades não tradicionais que valorizam um profissional de TI

 

 

Podem haver muitos empregos lá fora, mas você precisa de habilidades únicas para obtê-los. Veja como agarrar boas oportunidades 

Todos já ouvimos que o mundo precisa de mais profissionais de TI. Recente pesquisa da Forbes informa que mais de um milhão de postos de trabalho de cibersegurança existem em todo o mundo e mais de três milhões de vagas de TI não preenchidas.

Ainda assim, eu tendo a ser um pouco cético; eu já vivi tempo suficiente para me lembrar de flashes do passado, como o impacto na economia causado pela bolha da internet no ano 2000 e toda a publicidade sobre o escritório sem papel. Lembro-me até da pedra de estimação. Mas essa é outra história. Então eu guardo muitas histórias sobre o mercado de trabalho, mas sempre com certo ceticismo.

Eu sempre acompanhei essas tendências com o mesmo entusiasmo que tenho hoje, quando leio artigos sobre os Millennials que herdarão a terra (ou não). Será?

 

Podem haver muitos empregos lá fora. Mas você precisa ter habilidades únicas para obtê-los, tais como:
 

Habilidades de TI não tradicionais

Ao longo dos anos, eu fiz muitos trabalhos para ensinar pessoas em tecnologias web, código aberto e segurança. Tenho notado que não importa o quão talentoso alguém é na formatação de dados HTML5, em transformar uma caixa de Linux e fornecer serviços de banco de dados consistentes ou em identificar o último ataque de negação de serviço, essas habilidades são de pouca utilidade, a menos que o especialista tenha algumas habilidades de negócios. Essas habilidades sim, são essenciais, mas são difíceis de aprender na sala de aula.

Eu estava conversando outro dia com Stephen Wright, diretor estadual para força de trabalho e desenvolvimento econômico no estado da Califórnia (EUA). Ele me contou que criou um projeto chamado Caminhos de Carreira. O projeto informa aos alunos o que eles precisam para obter habilidades de negócios. Algumas pessoas chamam de soft skills. Elas são tão vitais para o sucesso em TI como saber como funciona o TCP/IP. Essas habilidades incluem a resolução de problemas, redação eficaz, a capacidade de trabalhar criativamente em equipe e gerenciamento de projetos.

Wright sequer mencionou golfe como uma habilidade essencial. Sim, golfe. Por quê? Porque golfe é - pelo menos em teoria - uma forma de rede de pessoas que recebem conhecimento umas das outras. Comentei que gostaria de acrescentar caiaque e mergulho a essa lista, e ele me respondeu: você precisa encontrar maneiras de engajar as pessoas na redes apropriadas, juntamente com a aprendizagem de suas habilidades técnicas.

Tim Crothers, um associado de longa data que tem trabalhado na área de segurança há décadas, vem me falando sobre isso há anos: ele prefere contratar alguém que tem uma boa redação e que tem alguns princípios sólidos de negócio do que o guru de segurança que sabe tudo sobre o mais recente hack.

 

Crothers é um trabalhador da segurança altamente talentoso, mas ele valoriza mais habilidades não técnicas. Ele realmente não se importa onde as pessoas adquirem suas habilidades; seja por meio de um curso de quatro anos, em estágios ou em um treinamento no próprio ambiente de trabalho. Mas a chave é: as pessoas podem obter essas habilidades lentamente, ao longo do tempo.

 

Por isso, é cada vez mais comum para alguém que trabalha como gerente de departamento ou mesmo em uma rede de varejo ou numa loja de telefone celular, se tornar um verdadeiro guru de TI. Por quê? Porque essa pessoa de vendas de varejo irá rapidamente ganhar sabedoria em TI e em negócios. Combine isso com alguma educação formal e, antes que você perceba, essa pessoa será capaz de vender coisas, como complexas soluções hospedadas na nuvem.

 

 

Habilidades de TI híbridas

Cada vez mais, os profissionais interessados na conquista de um bom trabalho em TI precisam saber mais do que apenas TI. Eles precisam saber como a tecnologia mapeia as necessidades de negócios específicas, tais como serviços financeiros, cuidados de saúde, telecomunicações, serviços gerenciados e hospitalidade.

Sim, isso mesmo: para obter um desses um milhão de empregos de segurança cibernética ou três milhões de empregos de TI em todo o mundo, você precisa saber mais do que a linguagem perfeita (se é Ruby ou Python!), ou ter conhecimento da Deep Web. Você precisa saber sobre um mercado vertical chave. Por que alguém em TI deve saber algo sobre, por exemplo, gestão da cadeia de suprimentos? Porque essas habilidades híbridas irão colocá-lo na demanda de uma economia baseada no serviço, que valoriza a transferência segura de informações.

Você pode pensar que seu trabalho em um hospital, por exemplo, pode ter baixa remuneração e algo como um beco sem saída. Mas se você combinar esse conhecimento com uma especialização em TI, você agora é um trabalhador híbrido que pode oferecer vasta experiência.

 

Habilidades de TI adaptáveis

No mês de outubro passado, participei de um fórum sobre Cidades Inteligentes na conferência EMEA CompTIA, em Londres. Perguntei a uma das participantes sobre as tecnologias que lhe interessavam mais. Ela respondeu: "As coisas que aprendem". Ela define tecnologia como "a capacidade de recolher informações e gerar mudanças de comportamento com base nessa informação".

A TI adaptável tornou-se extremamente importante. Da adaptive security archtecture à tecnologia wearable, que pode sugerir como ela deve ser usada com base em seus hábitos de viagem, as chamadas coisas que aprendem começarão a dominar a nossa computação - e não a computação dominar nossas vidas. Mas, não vamos focar apenas nos aplicativos móveis e nos gadgets.

Em 2016, é importante para os analistas de segurança definirem as coisas que aprendem. Como? Por meio da aplicação de técnicas de análise de dados para a segurança. Agora, a indústria de segurança está interessada em tecnologias que têm a capacidade de se reconfigurar. Estas incluem detecção de intrusão e dispositivos de prevenção, firewalls etc.

Mas, o ponto-chave aqui é que o mundo precisa de profissionais de análise de segurança, que podem reunir dados não ordenados em toda a sua velocidade descontrolada e, em seguida, reduzir esse caos para passos de segurança acionáveis. Isto significa que a próxima tendência de segurança vai na direção de educar indivíduos, em como usar ferramentas sofisticadas de big data para identificar as lacunas de segurança e avançadas ameaças persistentes.

 

Habilidades de análise de dados mercantilizados

A Internet das coisas criou maiores implicações de segurança. Ela também vai exigir um monte de técnicos de análise de dados para configurar todas as mais recentes soluções tipo Hadoop. Ela também requer uma grande quantidade de pessoas que têm a capacidade de interpretar os dados que são coletados.

Os profissionais de análises de dados, de 2016 pra frente, não serão os que têm Ph.D.s em ciência da computação ou estatísticas. Eles serão todos os interessados em tendências e decisões baseadas em dados. Afinal, a força de trabalho é cada vez mais habitada por nativos digitais, que esperam a capacidade de reunir dados de grupos de Facebook e LinkedIn. Eles estão acostumados a ver o que está tendendo no Twitter.

Em 2015, tornou-se comum, a cada departamento de uma empresa, ter acesso instantâneo a TI por meio dos modelos as-a-service que foram introduzidos há quase dez anos. Mesmo que o big data tenha sido introduzido há apenas cinco anos, veremos que a partir de 2016, governos, empresas e organizações vão esperar que todos os seus trabalhadores entendam como usá-lo em uma base diária.

 

Como obter esse trabalho? Criatividade

As essenciais habilidades e tendências para 2016 não são simplesmente todas as novas tecnologias que continuam sendo inventadas e aplicadas. E sim, sobre como encontrar maneiras de aplicar todas estas novas tecnologias para nossas vidas e como fazemos negócios com elas. As pessoas que conseguirem fazer isso são as que irão conquistar esses empregos não preenchidos.

Então, claramente, precisamos de mais e melhores programadores de aplicativos móveis e mais criativos profissionais da Web e de segurança. Porém, o mais importante, precisamos de pessoas que têm a capacidade de mapear essas tecnologias para habilidades de negócios. Isto é o que significa criatividade, a partir deste ano.

 

 

O que um profissional de TI deve fazer para manter-se relevante?

 

Em 2015, mesmo com a queda do PIB entre 3,5% e 4%, os investimentos em TI cresceram 2,8% em reais. Este percentual sequer acompanhou a inflação próxima de 11% do ano passado.

O dólar médio foi de R$3,33, 41% acima do valor médio em 2014. Com muitos gastos com hardware, software, Cloud e boa parte dos serviços indexados em dólar, o poder de contratação de bens e serviços de TI foi extremamente reduzido. Com isso, a maior parte das empresas tentou renegociar contratos, trocou de fornecedores, postergou novos projetos e... foi forçada a fazer cortes na área.

Muitas empresas reduziram o número de funcionários da área de TI. E alguma delas chegaram até mesmo a substituir os funcionários mais seniores por recursos mais baratos. Os CIOs estão sendo cobrados para que a área de TI ajude a reduzir os custos das empresas, sem deixar de investir em projetos que visem aumentar a competitividade e as vendas.

 

Para 2016, o quadro tende a piorar. Os investimentos em TI crescerão entre 2% a 3% em reais. Novamente bem abaixo da inflação, prevista de 7,4%. O valor médio para o dólar no ano bate na casa dos R$4. Mesmo que você esteja feliz com seu trabalho ou com o seu papel na TI atual, existe uma chance de que você possa se ver buscando por um novo cargo em 2016, devido à alta rotatividade do mercado de TI.

Diante desse cenário, o que fazer para permanecer relevante?

Aqui está nossa lista de oitometas relacionadas à carreira para serem conquistadas em 2016.

1. Trabalhar melhor para compreender a sua indústria

“Saiba especificamente como e onde você se encaixa, e como e onde você pode ajudar. Então você será considerado inestimável”, conta Ross MacPherson, presidente da Career Quest e especialista em estratégias avançadas de carreira.

Você talvez seja o melhor programador do mundo, mas o que as empresas realmente querem são pessoas que compreendam o lado dos negócios também. Então vá para um evento, configure alertas do Google News para coisas importantes na indústria, participe no LinkedIn, se envolva. Saber o que está acontecendo na indústria lhe dará uma vantagem sobre sua concorrência.

“Muitos dos fracassos da vida ocorrem com as pessoas que não reconheceram o quão próximo elas estavam do sucesso quando desistiram” - Thomas Edison.

2. Construir um mapa de carreira

Muitas empresas hoje, tanto grandes quanto pequenas, não possuem planos de carreira bem definidos para suas forças de trabalho de TI. É por isso que criar o seu próprio plano pode ser útil na determinação de seus pontos fortes e fracos, como também na identificação de objetivos claros de carreira.

“Ninguém é responsável por sua carreira a não ser você – sua empresa não é responsável, nem seu chefe – apenas VOCÊ. Projete uma ótima carreira e faça acontecer”, afirma MacPherson.

Seu mapa pessoal de carreira deve incluir o seguinte:

1 - Um perfil de funcionário que liste os cargos e papeis que você já possuiu (seja específico).

2 - Uma ideia do cargo almejado que inclua vagas dentro e fora de sua empresa.

3 - Uma análise de suas habilidades e um plano para suprir as que faltam.

4 - Uma rede de profissionais com os quais você possa trabalhar e utilizar como fonte de conselhos quando necessário.

Construir um plano de carreira próprio o ajudará a fazer um trabalho melhor, concentrando-se na sua busca de emprego. Então faça.

“Controle seu próprio destino, ou alguém irá controlá-lo” – Steve Jobs.

3. Atualizar o Currículo

Ter seu currículo atualizado e preparado pode fazer maravilhas quando o assunto é aliviar sua mente. Atualizar seu currículo é muito mais fácil do que ter de fazer uma inspeção do mesmo durante uma crise.

“Seu currículo é um documento de marketing. Você precisa vender sua experiência e se destacar entre os outros que podem ser tão qualificados quanto você”, afirma MacPherson.

Construa seu currículo com o cargo que você tem em mente. Destaque suas habilidades que são relevantes para aquele cargo. Busque em fóruns de trabalho e veja as palavras chave que os recrutadores estão utilizando e adicione-as onde se encaixarem em seu currículo. Inclua honrarias, prêmios e qualquer programa de responsabilidade social no qual você tenha participado ativamente. Seminários ou cursos são, muitas vezes, ignorados aqui também.

Não está com disposição para lidar com as mecânicas da escrita de um currículo? Bem, existem muitas empresas de serviços de carreira por aí que trabalharão para alcançar seus objetivos de carreira na TI, ajudando-o a criar um currículo vendedor, construir uma presença social ou mudar completamente de carreira.

“Escolha um trabalho de que gostes, e não terás que trabalhar nem um dia na tua vida” - Confucius.

4. Construir uma página pessoal para a sua marca pessoal

Grande parte dos profissionais talvez poderia passar sem uma página na internet contendo sua marca registrada, mas você trabalha com TI, e internet é parte de sua vida. Esta abordagem funciona melhor para pessoas que querem mostrar muitas informações sobre trabalhos e produtos passados. Serve como o portfólio online.

O conselho de MacPherson é: “Não faça do seu site um armazém de dados, faça-o dinâmico, faça-o o seu valor de mercado”.

Sim, existem muitas coisas a serem consideradas: hospedagem, nomes de domínio, criação de conteúdo, programação e manutenção, sem mencionar o preço, mas você precisa se perguntar o quanto sua carreira vale para você. Assim como grande parte das coisas na vida, quanto mais você se esforça, maior o retorno. Também é bom melhorar suas classificações necessitando em SEO.

Caso você já possua um blog ou site, talvez seja hora de uma atualização. Certifique-se de que suas informações de contato sejam facilmente encontradas. Você também pode incluir a URL em currículos e cartas de acompanhamento. A concorrência é feroz no mercado de tecnologia. Construir uma marca registrada pessoal pode ser uma ótima forma de obter uma vantagem.

“Não pense em você como o arquiteto de sua carreira, mas sim como um escultor. Espere dar muita martelada, escarificação, raspagem e polimento” – B.C. Forbes.

5. Criar ou lapidar os perfis sociais

Perfis de redes sociais se tornaram importantes para o recrutamento no campo da tecnologia. Empregos têm sido obtidos e perdidos devido a eles. Talvez você tenha estado receoso em relação a usar as redes sociais, mas você não poderá evitá-las por mais tempo. Twitter, Facebook, LinkedIn e Google+ se tornaram males necessários à medida que influenciam tráfego de busca, presença web e contratação de TI.

Recrutadores e empresas estão ficando mais experientes no garimpo de informações a partir dessas redes sociais para buscar o candidato correto. “Construa, mantenha e nutra uma ótima presença/marca registrada online e a oportunidade permanecerá batendo à sua porta”, diz MacPherson. Atualize seus perfis e mantenha-os com uma aparência profissional e o teu próximo trabalho te encontrará.

Pesquise seu nome no Google ou Bing e veja quais os resultados. Alguma coisa negativa? As chances são de que o pessoal do RH fará uma pesquisa de internet antes de uma entrevista assim como você faria para descobrir o máximo de informações possível sobre a empresa pela qual você será entrevistado.

Seja o que for – comentários estúpidos que você fez nos anos anteriores, um processo pendente, uma imagem ruim – olhe-a e prepare-se para explicá-la de alguma forma.

Existem serviços por ai que alegam poder limpar e manter sua reputação online. Caso você tenha tido uma experiência positiva ou negativa com eles, adoraríamos ouvir na seção de comentários.

“Ao trabalhar fielmente oito horas por dia você poderá, eventualmente, chegar ao cargo de chefe e trabalhar 12 horas por dia” – Robert Frost.

6. Construir networking

Você já deve ter escutado o provérbio, “não é o que você sabe, é quem você conhece”. Com a emergência de redes profissionais como o LinkedIn, existem várias formas de aumentar sua rede profissional. “Conectar-se ainda é a forma Nº 1 de fazer com que as oportunidades aconteçam e não se esqueça do contato olho no olho”, conta MacPherson.

Com o LinkedIn, por exemplo, você pode seguir empresas que você tem em mente. Conectar-se com pessoas com quem você trabalhou ou que admira. Existem muitos lideres de indústria a serem encontrados no LinkedIn também. Conecte-se e siga-os. Junte-se a um grupo e envolva-se em conversas. Parece muito trabalho, e na verdade é, mas fazê-lo pode ser o “pé na porta” que você tem buscado.

“Para muitas pessoas um emprego é mais do que o salário – é uma parte importante de quem somos. Então uma transição de carreira de qualquer tipo é uma das experiências mais inquietantes que você pode encarar em sua vida” – Paul Clitheroe.

7. Reforçar habilidades

“O reforço correto é muito importante – faça-o no momento correto e sempre de forma profissional”, nota MacPherson. Em um mercado de trabalho competitivo como o da TI, você não vai querer deixar as coisas a cargo da sorte. Melhorar seu reforço pode ajudar a manter seu nome na cabeça das pessoas do RH. Mande notas de agradecimento após entrevistas e troque cartões de negócios.

Alguns especialistas recomendam que após uma entrevista você espere de duas a três semanas antes de correr atrás do feedback do seu contato. Talvez alguém tenha ocupado a vaga de trabalho, mas novos cargos abrem a todo momento. Reforçar e permanecer em contato pode lhe possibilitar um papel para o qual você nem mesmo se candidatou.

“Um bom administrador é um homem que não está preocupado com sua própria carreira, mas sim com as carreiras daqueles que trabalham para ele” – H. S. M. Burns.

8. Expandir horizontes

“Caso você não esteja crescendo, você então está morrendo. Cresça, expanda, seja distinto e torne-se inestimável”, afirma MacPherson.

Saia de sua zona de conforto e aprenda algo novo. Existem muitas opções gratuitas disponíveis para você. Elas podem incluir a biblioteca, um curso local, aulas da faculdade ou seminários. A questão é nunca parar de aprender e crescer.

“Seu trabalho é descobrir seu trabalho e então dedicar-se a ele de todo coração” - Buda.

 

 

 

Anotações

breve
dicas de eventos

Engrenar o seu negócio 

breve
nossos produtos

Contato

 (21) 3477-9516
WhatsApp: 9.6762-0387